Tuesday, 8 May 2007

Tempos de Insegurança e Incertezas

Meus caros e queridos amigos,
Ainda não sei como vocês não desistiram de ler o meu blog, porque isto parece mais uma cidade fantasma, só faltam os rolos de palha a circular pela rua principal ao sabor do vento frio e deshumano.
Agradeço a todos as motivações que me deram e nunca terem deixado de me espicaçar para escrever mais um post.
É um privilêgio para mim ter pessoas que leiam o que escrevo pois não sou propriamente um suprasumo na materia, e todas as críticas positivas que fizeram à minha pessoa foram recebidas com muito carinho e humildade. (este post parece mais um discurso no dia dos Oscars).
Acho que chegou o momento de explicar a todos a minha ausência. Sem dúvida sou uma mulher muito ocupada: trabalho, Luís, familia, cães, salsa, coro, maquilhagens, fotografia, amigos, etc. Mas infelizmente não tenho passado tempos felizes e descontraídos, vivo numa incerteza profissional e pessoal. O facto de não sabermos o dia de amanhã é bastante desgastante. Sinto-me muito desmotivada e acho que estou a chegar ao meu limite, não me sinto necessária em nada que participo, se me for embora ninguem vai sentir a minha falta, profissional, salseira, coralista! Não me tem apetecido fazer muito, e o que faço é porque me obrigo, pois não quero voltar a "arrastar-me" como aconteceu há 4 anos atrás. Não vou deixar que me deitem a baixo! Estou a escrever este post na esperança de me sentir mais forte. Um dia vou poder contar a todos o que estou a passar e todos vão entender que não é fácil. Eu luto diáriamente para ser uma pessoa melhor (melhor não é mais boazinha, sou bastante humana mas justa...não vou em chorinhos), que cometa menos erros, seja mais racional, profissional, sem abandonar os seus princípios, sentimentos, esperanças e sonhos...e um dia puuufff tudo desaparece, perdemos tudo e ficamos que nem Robison Crusue na ilha sozinho e isolado (isto antes de aparecer o sexta-feira). É obvio que estou a dramatizar um bocadinho, não me comparo sequer a certas pessoas que parece que nasceram para sofrer...há realmente mta desgraça no mundo e que muitos portugueses não têm noção! Talvez por isso nos queixemos de barriga cheia não estamos habituado aos dissabores da vida. Sou uma pessoa medrosa: tenho medo de sofrer porque não faço, tenho medo de sofrer porque fiz, tenho medo que os outros sofram pelo que fiz e não fiz....:)...hoje é mesmo dia não, mas já começo a sentir alguma firmeza interior, acho que este post já está a resultar...alias vou telefonar a um contacto para marcar uma reunião...cruzem os dedos ;) porque vou à luta!!
Obrigada por me lerem